Por

Veja a nossa lista de 10 museus de arte na Itália, fora da rota turística. Tenho certeza que mesmo se você for um grande amante de arte, não conhece a maioria dos museus da nossa lista! Isso porque são museus pouco conhecidos, mas não deixam de ser ricos em obras de arte.

Se você realmente quer conhecer a  história de um país em detalhes, mergulhando em sua arte e suas tradições, basta visitar seus museus. A Itália é o país que produziu as obras de arte mais renomadas da história, e milhares de museus incríveis espalhados por suas cidades são testemunhos desse legado. Então, quais museus você deve visitar na Itália?

Em vários sites você encontra a lista dos museus mais visitados e conhecidos, porém há milhares de outros museus, que estão fora da rota turística, mas que valem sua visita, sobretudo se você é amante de arte, ou não teve tempo de comprar bilhetes com antecedência, esses museus são menos lotados e mais fáceis de visitar.

Não deixe de ler também:

Eis então nossa lista de Top 10 museus da Itália, fora da rota turística:

1. Galleria Doria Pamphilj, Roma

Um dos melhores palácios rococós da cidade, o Palazzo Doria Pamphilj ainda é de propriedade privada da família aristocrática Doria Pamphilj, mas sua estupenda coleção de arte é aberta ao público. A coleção da Galleria Doria Pamphilj foi iniciada pelo Papa Innocent X Pamphilj em 1644. Atualmente, consiste em mais de 400 pinturas que datam do século XV ao XVIII.

Uma das obras mais notáveis ​​da galeria é o Retrato do Papa Inocente X, de Velázquez, que mostra o papa exatamente como ele era: um homem ameaçador e desconfiado. Isso levou a uma grande controvérsia na época de sua pintura, uma vez que outros artistas pretendiam idealizar as características do pontífice, a fim de suavizar sua aparência sinistra. Apesar do realismo da pintura, a família Pamphilj a mantém em um lugar especial e tem seu próprio quarto desde o século XIX.

Di Diego Velázquez – museus de arte na Itália

A forte coleção holandesa e flamenga inclui a Batalha no Porto de Nápoles, de Pieter Brueghel, e seu filho Jan Brueghel, o Paraíso Terrestre com Pecado Original. Entre as melhores obras italianas estão duas pinturas de Caravaggio, a comovente Madalena arrependida e sua maravilhosa Descanso em fuga para o Egito, pendurada perto de Salomé com a cabeça de São João, de Ticiano. Há também o Retrato duplo de Rafael, uma Anunciação de Filippo Lippi e uma Deposição da cruz de Vasari. Os verdadeiros tesouros da galeria ocupam uma sala especial: o busto de Bernini do “Papa Inocente X  de Pamphilj.

Além da galeria completa, dentro do palácio você também pode visitar uma pequena capela e várias salas particulares que mantêm sua decoração original e parte de seus móveis.

Leia o texto – 10 Curiosidades sobre Roma

2. Os Museus Capitolinos, Roma

Os Museus Capitolinos (Musei Capitolini) se e encontram na Piazza del Campidoglio. Os museus são de propriedade do município de Roma, e foi o resultado da doação de uma coleção de valiosos bronzes do Papa Sisto IV em 1471 aos cidadãos de Roma, tornando-os os museus mais antigos do mundo.

Os museus são compostos por dois imponentes edifícios localizados na Piazza del Campidoglio: o Palazzo dei Conservatori e o Palazzo Nuovo. Ambos edifícios estão ligadas pela Galleria Lapidaria, um túnel que leva você até a Piazza del Campidoglio sem precisar sair dos museus.

Palazzo dei Conservatori

Aberto ao público em 1734 sob o Papa Clemente XII, o Palazzo dei Conservatori abriga uma coleção que inclui pinturas, esculturas, bustos de pessoas conhecidas da época e outras obras de artistas renomados como Caravaggio, Tiziano, Rubens e Tintoretto.

Uma das principais atrações encontradas neste museu é a escultura original do Lobo Capitolino. No Palazzo também está o Ritratto di Carlo I de Arnolfo di Cambio (1277), a primeira escultura de uma pessoa viva.

Uma das partes mais impressionantes do edifício é um salão coberto de vidro. No centro está a estátua equestre de Marco Aurélio, originalmente exibida na Piazza del Campidoglio. Nesta ala, fragmentos de várias estátuas colossais são preservados.

museus de arte na Itália

Palazzo Nuovo

O Palazzo Nuovo é dedicado principalmente à exposição de estátuas, esculturas, mosaicos e bustos. Algumas são réplicas romanas de originais gregos.

Entre as maiores obras do museu está a Vênus Capitolina , uma escultura de mármore projetada entre 100 e 150 dC. Outras obras de arte famosas incluem o Discobolus e a estátua da Gália Moribunda.

No Salão dos Filósofos, os visitantes encontrarão bustos notáveis ​​de filósofos gregos e romanos. Esses retratos já haviam decorado os jardins e as vilas dos aristocratas romanos.

3. Museo Stibbert, Florença

O Museu Stibbert está localizado na bela Villa di Montughi, construída por Frederick Stibbert, um colecionador e empresário anglo-italiano que no séc XIX que residia na vila. O museu da casa abriga uma curiosa e grande coleção de armas, armaduras, roupas e objetos de diferentes épocas e origens, coletados por Federick ao longo de sua vida. No momento de sua morte, a vila e a coleção foram doadas à cidade de Florença.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Museu Stibbert oferece uma experiência original e única, uma viagem de volta ao tempo para uma antiga residência longe do habitual, mobiliada e decorada com antiguidades de todo o mundo.
Um passeio pelo museu percorre as várias salas da vila, onde quase podemos imaginar Frederick Stibbert pessoalmente tomando uma xícara de chá ou estudando um de seus muitos livros e nas outras salas, nós passar pelas exibições de sua coleção, organizadas de maneira muito ordenada e precisa. Os quartos são tão cheios que se pode facilmente se perder na contemplação de tudo.

Há quase 50.000 peças na coleção no Museu Stibbert, a maioria das quais não só foi coletada, mas também organizada em exibição pelo próprio Stibbert. Uma pequena parte dos objetos disponíveis para visualização foram comprados após sua morte através de doações ao museu. Adequado para jovens e mais maduros, ideal para colecionadores ávidos de armas e armaduras, mas também perfeito para quem é simplesmente curioso. Existem inúmeras peças de armas e armaduras, um interesse certamente ligado à carreira militar de sua família, primeiro seu avô, depois seu pai, que participa da campanha de Trentino.

Uma grande parte das peças de exposição é européia, especialmente italiana, mas há várias que representam as tradições inglesa, alemã e francesa. A maior parte das peças vem do século XVI, mas também existem peças dos anos 1300. Muitos do arsenal estão expostos na bela e sugestiva Sala della Cavalcata, onde você encontrará uma representação em tamanho natural de soldados e cavalos vestidos para guerra e paginação. Há duas salas no museu dedicadas ao arsenal islâmico. Existem três salas que exibem arsenal japonês com quase 100 suítes completas de armaduras e várias outras peças, tornando essa uma das coleções mais exaustivas fora do Japão.

Entre as pinturas do museu estão pinturas de Sandro Botticelli, Carlo Crivelli (dois santos da Catedral de Camerino, por volta de 1490), Domenico Beccafumi, Luca Giordano, Alessandra Allori, Pieter Brueghel, o Jovem, Neri di Bicci e Pietro Lorenzetti. Entre as outras coleções de grande valor, o mobiliário antigo merece menção, com inúmeros baús que remontam ao século XV, vitrines e mesas do século XVIII e uma fina mesa em malaquita. As tapeçarias de couro são suntuosas, um dos aspectos típicos da vila. Um quarto abriga a coleção mais antiga de bandeiras do Palio di Siena, datadas de meados do século XIX, que ficam penduradas no teto.

Stibbert confiou a reforma da vila e do jardim ao arquiteto Giuseppe Poggi, o mesmo responsável por demolir as muralhas da cidade e criar a Viale dei Colli que levava à Piazzale Michelangelo. Ele criou um “parque inglês” com um lago, fontes, templos e cavernas.

Leia o texto –Meus 3 museus preferidos em Florença, fora da rota turística via Passeios na Toscana

4. Museo Nazionale del Bargello, Florença

O Museu Bargello, que fica no centro histórico de Florença, e reúne a maior coleção de esculturas italianas dos séculos XIV ao XVI. O museu, localizado no imponente Palazzo del Bargello, também chamado Palazzo del Popolo, começou a ser construído em 1255,  e ao longo dos séculos recebeu o Capitão do Povo de Florença, o Podestà, o Conselho de Justiça e, em 1574, tornou-se a sede do “bargello” ou o Capitão de Justiça. Por cerca de três séculos, o palácio foi usado como prisão.

Bacco dw Michelangelo

Desde 1859, o edifício abriga o Museu Nacional (o primeiro museu nacional da Itália unida), que reúne muitas esculturas renascentistas importantes e algumas obras de artistas menores de vários períodos. A sala maior do andar térreo, abriga importantes obras de Michelangelo, como Baco (1470) e Apolo (1530). Há também obras de Giambologna, Cellini, Ammannati e Sansovino, que fizeram sua própria versão do Baco em competição com Michelangelo. O busto de bronze de Cosimo I de Cellini está na mesma sala.

A Sala do Conselho Geral, agora é chamada de Sala di Donatello e contém muitas obras do artista, incluindo o San Giorgio (1416) criado para o nicho de Orsanmichele, o jovem San Giovanni, o David em mármore (1408) e David em bronze (1430), o primeiro nu elegante do Renascimento.

Em 1401, Filippo Brunelleschi e Lorenzo Ghiberti competiram por uma comissão de muito prestígio: a decoração das portas do norte do Batistério na Piazza Duomo. Para a ocasião, os dois artistas projetaram um painel de baixo-relevo em bronze sobre o tema o Sacrifício de Isaac: os dois painéis são exibidos nesta mesma sala de Bargello. A competição foi vencida por Ghiberti, que venceu a comissão, mas vendo os dois painéis em comparação, todos têm a oportunidade de decidir quem venceria. Eu votaria no Brunelleschi!

Este slideshow necessita de JavaScript.

O museu também abriga uma coleção de obras em ouro e esmaltados feitos entre a Idade Média e o século XVI, além de selos e vários objetos de metal, esculturas raras de marfim dos tempos antigos até o século XV, esculturas de terracota vitrificadas de Giovanni e Andrea della Robbia, bustos de Verrocchio, esculturas de Mino da Fiesole e Pollaiolo e objetos militares da Idade Média ao século XVII. O museu também apresenta belas tapeçarias na Sala della Torre e obras de artistas como Pisanello, Cellini, Michelozzo e outros.

Para os amantes do Renascimento, o Bargello é a escultura como os Uffizi para a pintura.

Leia o texto: O Museu do Bargello, o museu das esculturas de Florença – via Passeios na Toscana

5. Pinacoteca di Brera, Milão

A principal coleção de arte de Milão e, na verdade, da Lombardia, reside em uma escola de arte de uma faculdade jesuíta do século XVII, envolvida em um pátio de dois andares com arcada. Esta coleção inigualável faz uma excursão circular pela arte italiana do medieval ao surrealismo em 38 salas. Ao longo do caminho, há esplêndidos quadros renascentistas, de escola veneziana e pinturas barrocas, obras maneiristas sombrias e, graças a doações recentes, a peça ímpar de Picasso e Umberto Boccioni para apreciar.

Embora a coleção não seja imensa, é de excelente qualidade; apenas alguns dos destaques de tirar o fôlego incluem o sublime Montefeltro de Piero della Francesca (1474); o etéreo Cristo Morto, de Andrea Mantegna (1480); A soberba, embora triste, Ceia de Emaús do século XVII de Caravaggio (1601); e o Casamento da Virgem de Rafael (1504), que foi maravilhosamente restaurado.

Entre os trabalhos seculares da galeria, destacam-se as obras o Beijo, de Francesco Hayez (1859), e as cenas pastorais do artista Giovanni Fattori, que lideram o caminho para a Escola Macchiaioli de Impressionistas Italianos, no final do século XIX. Atualizando a coleção cada vez mais, estão doações, incluindo uma série de obras do artista italiano Amedeo Modigliani e do escultor Marino Marini.

6. Coleção Peggy Guggenheim, Veneza

Com um local para inveja, o palácio Venier dei Leoni, no Grande Canal de Veneza, a “Coleção Peggy Guggenheim” é um museu onde você pode ver a coleção de arte pessoal de Peggy Guggenheim e, no passado, também foi a casa da ex-esposa do grande artista Max Ernst. Entre as exposições estão obras expressionistas surrealistas, cubistas e abstratas. Renè Magritte, Picasso, Brancusi, Jackson Pollock e Salvador Dalì estão entre os artistas presentes. Há também uma grande coleção de abstracionismo italiano, com obras de Afro Basaldella, Tancredi Parmeggiani, Rosaria Gilardi, Lucio Fontana e Carla Accardi.

Foto: wikipedia commons

Embora a coleção Peggy Guggenheim seja um dos melhores museus da Itália que exibem arte do século 20, você pode achar a experiência um pouco chocante, dada a sua localização em uma cidade tão fortemente associada ao Alto Renascimento e ao barroco. No entanto, os aficionados por arte encontrarão vários trabalhos fascinantes aqui. Guggenheim comprou a mansão em 1949 e viveu aqui até sua morte em 1979 (a história desse palácio outrora abandonado é maravilhosamente trazida à vida no The Unfinished Palazzo de Judith Mackrell).

Hoje toda a vila foi convertida em galerias. Os destaques incluem o poeta extremamente abstrato de Picasso e sua mais suave Na praia, várias obras de Kandinsky (Paisagem com manchas vermelhas nº 2 e Cruz branca), o expressionista de Miró Mulher sentada II, o místico de Klee  Jardim Mágico, e algumas obras perturbadoras de Max Ernst (O Beijo , Atestado da Noiva ), que foi brevemente casado com Guggenheim na década de 1940. Procure por Império da Luz, de Magritte, o surreal de Dalí. Os futuristas italianos também estão bem representados aqui, com um retrato raro de Modigliani (Retrato feito pelo pintor Frank Haviland).

Edifícios adjacentes foram adicionados ao complexo, servindo como espaço temporário para exposições, um café e uma loja, conectados ao edifício principal pelo agradavelmente sombrio Nasher Jardim de escultura. Guggenheim está enterrada li, marcada por uma lápide simples.

7. Galleria Nazionale di Palazzo Spinola, Gênova

Este nobre palácio construído no final do século XVI, não muito longe do Palazzo Reale, era de propriedade de algumas das famílias mais ilustres de Gênova. Hoje é um museu estadual localizado no coração do centro histórico de Gênova. Foi incluído em 13 de julho de 2006 na lista de 42 edifícios registrados no rol de Gênova, declarados naquela data pela UNESCO como Patrimônio Mundial.

Antonello da Messina – Ecce Homo

O museu é formado de 3 espaços: um museu da casa no andar inferior, mostrando como as famílias aristocráticas genovesas viviam entre os séculos XVII e XVII.

E no andar superior um museu de arte, que abriga obras de valor excepcional, como o Ecce Homo de Antonello da Messina e o retrato de Ansaldo Pallavicino de Antoon van Dyck. Além de obras de Peter Paul Rubens, Pieter Brueghel, Grechetto, Valerio Castello, e muitos outros.

O terceiro andar é ocupado pela Galeria Nacional da Ligúria, onde estão expostas as aquisições estaduais, de acordo com a vontade dos dois últimos proprietários privados, o marquês Paolo e Franco Spinola, que em 1958 doaram sua residência ao Estado italiano para se tornar um local de exibição destinado a para uso público.

8. Galleria Nazionale delle Marche, Urbino

O esplêndido palácio, construído por Federico da Montefeltro para a glória de sua família e, ao mesmo tempo, uma expressão de sua personalidade como homem renascentista, abriga a Galeria Nacional da região Marche, criada em 1912. Sob o domínio de Federico, que veio ao governo do estado de Montefeltro em 1444, Urbino se tornou por algumas décadas um dos faróis do renascimento italiano.

Urbino, Marche

Um primeiro grupo de obras, oriundo dos edifícios das corporações religiosas suprimidas, passou a constituir em 1861 o núcleo principal da Galeria que, considerada uma das coleções de arte mais preciosas da Itália, foi criada em 1912, sob a direção de Lionello Venturi, o então superintendente, com a intenção de coletar, preservar e aprimorar os objetos de arte de todo o território regional. O caminho, dentro do palácio, além de levar o visitante a ambientes altamente sugestivos, incluindo o Studiolo del Duca, a Cappellina del Perdono e o Tempietto delle Muse, e de obras-primas absolutas, como a profanação do Anfitrião por Paolo Uccello (1397-1475), a Flagelação e a Madona da Senigallia por Piero della Francesca (1415 / 20-1492), o Pentecostes e a Crucificação por Luca Signorelli (1441) / 50-1523), La Muta de Rafael (1483 – 1520); a Última Ceia e a Ressurreição de Ticiano (1487 / 88-1576), a Assunção da Virgem por Federico Barocci (1535 – 1612); a Madona e o Menino com Santa Francesca Romana de Orazio Gentileschi (c.1563 – 638 ou 46).

Após as últimas restaurações, também é possível visitar os porões do Palazzo com a casa de neve, a selaria, a lavanderia, a cozinha, o estábulo e o banheiro do duque.

Não deixe de ler o texto: Top 15 atrações Unesco da Itália que você deve conhecer

9. Galleria Nazionale Umbria, Perugia

O magnífico Palazzo dei Priori de Perugia é a casa imponente da Galleria Nazionale, que hospeda a melhor coleção de obras da Escola de Pintura da Úmbria desde 1873.

E a vasta coleção, que abrange cerca de 40 galerias, transmite o desenvolvimento de movimentos artísticos na Úmbria desde a Idade Média, passando pelo Renascimento e até o século XIX. Você encontrará obras de Pisano, Gozzoli, Perugino e Pinturicchio, para citar apenas algumas.

Outros meios que não sejam a pintura da rica herança artística da Úmbria também estão em destaque na vasta coleção da galeria, incluindo esculturas em madeira e pedra, azulejos, toalhas de mesa perugas e obras de arte inestimáveis dos renomados ourives.

10.MART – Museu de Arte Moderna e Contemporânea, Rovereto

O MART – Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Trento e Rovereto é um dos maiores e mais importantes museus de arte moderna e contemporânea da Itália. Está localizado perto do centro histórico de Rovereto, uma cidade perto da cidade de Trento, que, embora não tão monumental como Veneza, é, no entanto, um exemplo muito bom do típico estilo arquitetônico do nordeste da Itália.

Desde 2002, o museu está instalado em um prédio moderno, projetado pelo arquiteto suíço Mario Botta, cujo imponente pátio circular se tornou a marca oficial da instituição. A monumental cúpula de aço que cobre o pátio foi claramente inspirada e tem o mesmo diâmetro da cúpula do Panteão de Roma. Este é um dos museus mais importantes da arte moderna e contemporânea na Itália (o mais visitado é a coleção Peggy Guggenheim em Veneza), abrigando uma coleção de mais de 30.000 obras de arte do século XX em exposição em rotação e muitas vezes conectado com grandes exposições temporárias organizadas pelo museu.

A coleção permanente do museu MART é composta por aproximadamente 30.000 obras de arte, que datam do final do século XIX até os dias de hoje. A coleção é principalmente focada em artistas modernos e contemporâneos italianos e movimentos de arte de vanguarda e inclui trabalhos de Giacomo Balla, Alighiero Boetti, Alberto Burri, Felice Casorati, Giorgio De Chirico, Fortunato Depero, Lucio Fontana Mario Merz, Giorgio Morandi, Michelangelo Pistoletto e Mario Schifano, para citar alguns; no entanto, a coleção também inclui obras de grandes artistas internacionais, como Joseph Beuys, Tony Cragg, Wassily Kandinsky, Anselm Kiefer, Sol LeWitt e Bill Viola, entre outros.

Não deixe de ler o texto que escrevemos sobre este museu – O Mart, o Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Trento e Rovereto

E UM PLUS – porque a Italia é muito cheia de bons museus que muitas vezes são desconhecidos:

 Pinacoteca Giovanni e Marella Agnelli, Turim

Localizada no último andar do complexo Lingotto da FIAT, em um caixa futurista com corpo de aço, a obra do famoso arquiteto Renzo Piano, a Pinacoteca Giovanni e Marella Agnelli foi inaugurada em 2002 e contém vinte e cinco maravilhosas obras-primas, incluindo vinte e três pinturas e duas esculturas. Todos os trabalhos expostos são da coleção particular de Giovanni Agnelli e sua esposa Marella e agora são exibidos no local da primeira grande fábrica da Fiat. Não apenas a seleção das obras expostas, mas também o arranjo delas é o resultado do gosto e da mente dos Agnelli.

As obras que compõem a exposição duram vários séculos e incluem obras do século XVIII, incluindo seis obras de Canaletto, esculturas do século XIX, obras de Canova e pinturas de Renoir e Manet. A maior parte da coleção, no entanto, é composta de obras do século XX. De particular destaque na Pinacoteca Giovanni e Marella Agnelli são as sete obras de Matisse e L’Hétaire de Picasso.

Há também obras de artistas italianos, expoentes do futurismo, como Giacomo Balla e Gino Severini. Você também pode admirar um esplêndido nu feminino de Amedeo Modigliani.

Além da coleção particular de Giovanni e Marella Agnelli, nos cinco andares abaixo do caixão é possível visitar exposições temporárias, um centro educacional de arte, além de uma biblioteca e uma sala de consulta dedicada ao tema da coleta.

Não deixe de ler também:

 

 

Deixe uma resposta

Style Switcher

Skin:

Backgrounds:

                       

You can also upload your own background from the Admin Panel.

Highlight Color:

             

Best viewed within the shop.

You can also create your own highlight color from the Admin Panel.