By

Artemisia Gentileschi transformou os horrores de sua própria vida – repressão, injustiça, estupro – em pinturas bíblicas brutais que também eram um grito de guerra para mulheres oprimidas. Porque seu gênio extraordinário foi esquecido?

Judith decapitando Holofernes, Artemisia Gentileschi – Uffizi, Florença

Duas mulheres estão segurando um homem em uma cama. Um pressiona o punho dela contra a cabeça dele, para que ele não possa levantar do colchão, enquanto a outra fixa seu torso. Elas estão bem construídas com braços poderosos, mas mesmo assim é preciso uma força combinada para manter a vítima imobilizada enquanto uma delas corta sua garganta com uma espada brilhante. O sangue jorra bem vermelho pelo lençol  branco, dando um contraste, enquanto ela age. Ela não vai parar até que a cabeça dele esteja totalmente decepada. Os olhos da vítima estão bem abertos. Ele sabe exatamente o que está acontecendo com ele.

O moribundo é Holofernes, um inimigo dos israelitas no Antigo Testamento, e a jovem mulher que o decapita é Judith, sua assassina. No entanto, ao mesmo tempo, ele também é um pintor italiano chamado Agostino Tassi, enquanto a mulher com a espada é Artemisia Gentileschi, que pintou isso. É, efetivamente, um auto-retrato.

Essas duas grandes pinturas cheias de sangue de Judith e Holofernes de Gentileschi, uma esta hoje no Museu de Capodimonte em Nápoles e a outra no Uffizi em Florença. Elas são quase idênticas, exceto por pequenos detalhes – o vestido de Judith em Nápoles é azul, e de Florença é amarelo  – como se essa imagem fosse um pesadelo que ela continuava tendo, o ato final de uma tragédia que se repetia sem parar em sua cabeça.

Porque? vamos a história da interessante pintora…

Não deixe de ler e ver também:

Mas quem foi Artemisia?

Retrato de Artemisia Gentileschi – Simon Vouet –  Palazzo Blu Pisa

Artemisia Gentileschi foi uma pintora barroca italiana com um estilo dramático e altamente expressivo, era uma raridade no panorama artístico do século XVII, embora seu talento fosse muitas vezes diminuído devido a seus eventos pessoais. Foi talvez uma das mais conhecidas entre os artistas italianos antes do século XX e certamente uma das poucas mulheres mencionadas nos manuais de história da arte.

Ela nasceu no 8 de julho de 1593 em Roma. Filha de Orazio Gentileschi, um pintor maneirista pisano que, no entanto, havia se mudado para Roma absorvendo totalmente a influência de Caravaggio, a jovem Artemísia começou na pintura desde tenra idade, principalmente após a morte de sua mãe em 1605. Através das obras de seu pai, a menina logo absorveu a lição do realismo caravaggesco que, segundo alguns, acrescentou ao conhecimento da escola bolonhesa. Susanna e i vecchioni de 1610, feitos com apenas 17 anos (talvez com alguma ajuda paterna), é considerado seu primeiro trabalho concluído, que já anuncia um talento bem definido. Porém, em 1612 seguiu Giuditta que decapita Holoferne, é considerada uma de suas obras-primas.

Artemisia Gentileschi Susanna e i vecchioni (1610) castello di Weißenstein

No meio de seu aprendizado, quando seu pai Orazio a colocou na Botega (laboratório) do pintor Agostino Tassi, ocorreu um evento que marcou indelevelmente sua vida pessoal e artística: em 1611, Tassi a estuprou de forma brutal, como lembrava Gentileschi em seu diário (“Fechou o quarto com a chave e trancado me jogou na beira da cama me dando uma mão no meu peito … “).

Seguiu-se um julgamento público e muito comentado, no qual paradoxalmente a mesma vítima foi torturada para fazê-la reafirmar a verdade de sua queixa. Tassi foi condenada mais tarde, mesmo que a reputação de Gentileschi e, acima de tudo, o equilíbrio psicofísico fossem minados para sempre. Casada rapidamente com um pintor muito modesto, Pierantonio Stiattesi, em 1612 ela partiu de Roma para Florença, onde aproveitou um clima cultural muito fértil, frequentando Michelangelo Buonarroti, o jovem (escritor e bisneto do artista Michelangelo) e Galileo Galilei. Em 1616, ela foi admitida, a primeira mulher na história, na prestigiada Accademia del Disegno de Florença.

Perseguida pelas dívidas do marido e pelas fofocas locais que a acusavam de adultério, Gentileschi deixou Florença em 1620 para retornar a Roma e depois viajou para Gênova (onde conheceu Van Dick e Rubens), ainda na capital e, finalmente, em Veneza, Nápoles e Londres.

Ela foi convidada pela corte inglesa da rainha Henrietta Maria para trabalhar. Mas como o convite chegou via seu pai, hoje nos livros de história italianos a informação é que “o pai foi convidada e ela acompanhou” diverso do que escreveu a rainha. Onde quer que fosse, a pintora era bem-vinda pela classe artística local e também recebia várias comissões, embora não tão numerosas quanto as de seus colegas do sexo masculino.

Retornando a Nápoles, ela morreu em 1653, após um último período de grande atividade. Ignorada por séculos por muitos historiadores da arte, que, quando a nomearam, reduziram seu status artístico a tristes eventos pessoais, Artemisia Gentileschi foi reavaliada a partir de um importante artigo de 1916, escrito por Roberto Longhi – Gentileschi padre e figlia –  Gentileschi pai e filha. A partir daí, muitos reconsideraram seu significado estilístico e expressivo, muitas vezes vinculando-o a um feminismo anti-literário (numerosas são suas obras que retratam heroínas bíblicas como Giuditta, Lucrezia ou Esther, que têm o melhor dos abusos masculinos), mas sobretudo enfatizando seu estilo maduro e dramático, muito expressivo.

Artemisia Gentileschi Giuditta con la sua ancella (1618-1619) Palazzo Pitti, Firenze

O que foi Artemisia para a arte e o feminismo?

Artemisia Gentileschi foi a maior artista feminina da época barroca e uma das mais brilhantes seguidores de Caravaggio, cuja a maravilhosa pintura de Judith e Holofernes a influenciou. Com palavras e imagens, ela lutou contra a violência masculina que dominava o mundo em que vivia.

Gentileschi alcançou algo tão improvável, tão próximo do impossível, que ela merece ser uma das artistas mais famosas do mundo. Não é simplesmente que ela se tornou uma artista de grande sucesso em uma época em que “rodas” e academias fecharam as portas para as mulheres. Ela também fez o que nenhuma das outras mulheres  (raras na pintura) renascentistas e barrocas conseguiram como artistas: comunicou uma poderosa visão pessoal. Suas pinturas são evidentemente autobiográficas. Talvez como Frida Kahlo,  ela colocou sua vida em sua arte.

Artemisia Gentileschi -Lucrezia – Potsdam

E que vida brutalmente “machucada” foi essa. No mundo da arte selvagem da Roma de Caravaggio, os artistas eram ricos, arrogantes e podiam fazer quase qualquer coisa que quisessem, desde que ficassem nos bons livros do papa.

Gentileschi deve ter conhecido Caravaggio muitas vezes quando criança: talvez até a tenha encorajado a pintar. Seu pai, Orazio, também um artista talentoso, era amigo íntimo de Caravaggio. Em 1603, Orazio e Caravaggio foram para o tribunal juntos depois de escreverem difamações sobre algum artista inimigo nas ruas de Roma. Em suas provas, Orazio mencionou casualmente Caravaggio voltando para sua casa para pegar emprestado um par de asas de anjo.

Isso nos dá uma idéia da infância de Gentileschi: o grande Caravaggio aparecendo para buscar “asas”. Nascida em 1593, ela tinha 10 anos quando isso aconteceu. Quando ela tinha 13 anos, o desastre atingiu o círculo de Caravaggio. Ele em 1606  matou um homem que tinha amigos na corte papal. Caravaggio fugiu, e Orazio e sua filha nunca mais veriam sua inspiração.

Clio, la Musa della Storia – Palazzo Blu, Pisa

Onde encontrar suas obras na Itália:

O catálogo das obras de Artemisia Gentileschi apresenta alguns problemas de atribuição (principalmente em relação à produção de seu pai, Orazio Gentileschi); muitas questões também estão relacionadas à datação das obras. A lista aqui é baseada no volume editado por Judith Walker Mann.

Ainda selecionamos somente aquelas em que o público tem acesso (ou seja não são particulares).

  • Madonna col Bambino, Galleria Spada, Roma, 1610-1611;
  • Giuditta che decapita Oloferne, Museo nazionale di Capodimonte, Napoli, 1612-1613;
  • Minerva, Sopraintendenza alle Gallerie, Firenze,  1615;
  • Allegoria dell’Inclinazione, Casa Buonarroti, Firenze, 1615-1616;
  • Conversione della Maddalena, Galleria Palatina, Palazzo Pitti, Firenze, 1615-1616;
  • Giuditta con la sua ancella, Galleria Palatina, Palazzo Pitti, Firenze, 1618-1619;
  • Santa Caterina di Alessandria, Galleria degli Uffizi, Firenze,  1618-1619;
  • Cleopatra, collezione della Fondazione Cavallini-Sgarbi, Ferrara,  1620;
  • Giuditta che decapita Oloferne, Galleria degli Uffizi, Firenze,  1620;
  • Santa Cecilia, Galleria Spada, Roma,  1620;
  • Cleopatra, Collezione Amedeo Morandorri, Milano, 1621-22 (há duvidas se é obra do seu pai);
  • Ritratto di gonfaloniere, Collezioni Comunali d’Arte, Palazzo d’Accursio, Bologna, 1622;
  • Maddalena penitente, Museo Correale di Terranova, Sorrento, 1627-1629;
  • Annunciazione, Museo nazionale di Capodimonte, Napoli, 1630;
  • Clio, la Musa della Storia, Palazzo Blu, Pisa, 1632;
  • Davide e Betsabea , Palazzo Pitti, Firenze, 1635;
  • San Gennaro nell’anfiteatro di Pozzuoli, Cattedrale di Pozzuoli, 1636-37;
  • Santi Procolo e Nicea, Cattedrale di Pozzuoli, 1636-1637;
  • Adorazione dei Magi, Cattedrale di Pozzuoli, 1636-1637;
  • Sansone e Dalila, Palazzo Zevallos, Napoli.

Não deixe de ler e ver também:

 

Deixe uma resposta

Style Switcher

Skin:

Backgrounds:

                       

You can also upload your own background from the Admin Panel.

Highlight Color:

             

Best viewed within the shop.

You can also create your own highlight color from the Admin Panel.