By

Conheça mais sobre a região de Friuli Venezia Giulia.

Todo mundo sabe que qualquer itinerário na Itália deve incluir visitas a Roma, Florença e Veneza. Você pode até conhecer alguns dos destinos “fora do comum” da Itália (que realmente não são tão fora do comum) como San Gimignano, Bolonha e Cinque Terre. Mas aposto que, a menos que você viva na Itália como nós, provavelmente nunca ouviu falar ou considerou uma visita à região mais nordeste da Itália. Por que você deveria ir, você pergunta? Bem, aqui estão as principais fatos sobre essa fantástica região, o Friuli-Venezia Giulia, que vão lhe fazer querer escolhe-la para sua próxima viagem:

Antes uma introdução sobre o Friuli Venezia Giulia:

  • A complexidade cultural é subestimada nesta pequena região pouco visitada, escondida nas fronteiras do nordeste da Itália com a Áustria e a Eslovênia.
  • Suas paisagens também oferecem contrastes profundos, com os perpétuos nevados Alpes ao norte, planícies idílicas repletas de videiras no centro, praias arenosas ao longo da costa sul e lagoas límpidas e falésias escarpadas que circundam a capital regional, Trieste.
  • Embora exista uma reserva incrível de atrações históricas, das ruínas romanas aos palácios austro-húngaros e aos museus da Guerra Mundial, este também é um destino para simplesmente relaxar com os locais, provar os renomados vinhos da região e descobrir uma herança culinária que ampliará as noções de a mesa italiana. A serena, intrigante Trieste e a simpática e agitada Udine proporcionam ótimos momentos na cidade – são tão fáceis e acolhedores que em breve você se sentirá como se fosse friuliano, venezuelano ou giuliano.
  • As suas províncias da região são: Trieste (capital regional), GoriziaPordenoneUdine.    
  • A grande variedade de paisagens combina com o rico e variado patrimônio cultural que foi determinado por uma história complexa e pela confluência de diferentes civilizações nesse território. Por esse motivo, Friuli Venezia Giulia parece um pequeno universo com muitas tradições diferentes: é a “terra dos contrastes”.

Leia os textos:

 

Vamos aos Fatos:

1 Friuli Venezia Giulia – uma região autônoma

Friuli-Venezia Giulia é a região mais oriental da Itália e uma das 5 regiões autônomas da Itália. Formou-se após a Segunda Guerra Mundial. A região histórica de Friuli combinada com uma porção da região histórica Venezia Giulia. Cada um tem uma história, tradições e identidade muito distintas . A região se estende dos Alpes ao mar Adriático e faz fronteira com a Áustria e a Eslovênia. Embora o italiano seja a língua oficial, os dialetos friuliano e veneziano são comumente falados no campo. Há também uma minoria de língua eslovena.

Aquileia

2. Uma “outra” Roma

O Império Romano se estendeu por toda parte em seu tempo, portanto, não é de surpreender que as ruínas romanas possam ser encontradas mesmo no Friuli-Venezia Giulia. Não espere um Coliseu como em Roma, mas ruínas de vilas, templos e banhos palacianos que lembram o esplendor do Império Romano. Aquileia foi uma das cidades mais ricas do Império Romano. Não por acaso, nos tempos antigos, Aquileia era conhecida como a ” Segunda Roma “.

Do fórum às ruínas do porto fluvial e da basílica, a cidade é também um dos exemplos mais importantes da arte cristã primitiva. Afinal, foi aqui que o imperador Augusto recebeu Herodes, o Grande, em 10 aC e novamente serviu como o local onde a igreja cristã primitiva realizou um conselho para resolver questões doutrinárias em 381 dC.

Segundo a tradição, a passagem em Aquileia de São Marco Evangelista foi importante para a cidade. O Santo fez de sua pregação uma porta para a difusão do cristianismo na Europa.

Aquileia hoje é apenas uma vila com 3.400 habitantes, mas acredita-se que a cidade de Aquileia seja a maior cidade romana a ser escavada e por isso foi inscrita na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO.

Leia o texto – O que ver em Aquileia, a “segunda Roma” do passado glorioso

3. Vinhos “familiares”

As vinícolas do Friuli-Venezia Giulia são antigas vinícolas familiares de longa data, em terrenos que variam de morros a montanhas rochosas e planícies, criando uma paisagem para algumas variedades de uvas gloriosas como Ribolla Gialla, Friulano, Pignolo, Schioppettino e Refosco. Estes vinhos gozam de um alto grau de exclusividade fora da Itália, porque a maioria é consumida no mercado interno e não exportada. O pequeno grau de exportação é geralmente para outros países europeus próximos e as poucas garrafas que o fazem fora da Europa se perdem entre os vinhos mais conhecidos.

O sopé alpino dos Friuli é uma das melhores propriedades produtoras de vinho branco da Itália e, embora os nomes dos produtores de vinho (como por exemplo Radikon, Zidarich e Schiopetto)  dificilmente pareçam italianos, as vinhas e cidades onde os produtores estão espalhados são inegavelmente, autenticamente italianas.

Uma maneira fantástica de provar é vir para um evento chamado “Cantine Aperte” da Itália, quando muitas vinícolas italianas abrem suas salas de degustação ao público no último domingo de maio. Se você não pode comparecer à Cantine Aperte, reserve um passeio de vinho Friuli e seja pego em Veneza, Trieste ou Udine – Tours com guia em português em Trieste, Pordenone, Aquilea, Palmanova, Gorizia e San Daniele

Curiosidade: Friuli fez recentemente um dos 10 melhores vinhos tintos italianos mais cobiçados, graças ao enólogo Pontoni da vinícola Miani (com a variedade vermelha local Refosco dal Peduncolo Rosso).

A região está dividida em 10 áreas de DOC e 4 de DOCG que cultivam cerca de trinta variedades diferentes de vinho, geralmente em pequenas quantidades.

4. Um presunto maravilhoso!

A cidade montanhosa de San Daniele, na província de Udine, é mundialmente famosa por seu presunto premiado e que rivaliza com Parma, na Emília Romanha. Talvez eu seja um pouco tendenciosa porque prefiro o prosciutto menos salgado e mais doce de San Daniele. A brisa adriática salgada sopra para se misturar com o ar alpino mais fresco das montanhas e cria as condições de secagem perfeitas, exigindo menos tempo de salga e secagem ao ar por quilograma de carne do que o presunto de Parma.

Até os anos 60, o prosciutto di San Daniele era feito de porcos pretos Friulanos, mas os porcos quase foram extintos. Embora os porcos pretos Friulanos não sejam mais usados, o presunto é produzido da mesma forma que era há séculos. Os regulamentos do DOP controlam a produção e apenas certas raças de porcos italianos com pelo menos nove meses de idade. As patas dos suínos frescas pesam no mínimo 12kg e maturam e por pelo menos 13 meses. Leia Presunto San Daniele: o maravilhoso “prosciutto” do Friuli

Visite a cidade em junho (26 a 29 de junho de 2015) durante o “Aria di Festa“, na qual o proscuitto di San Daniele é comemorado por quatro dias e muitas fábricas abrem suas portas para visitas e degustações. Ou reserve um passeio de vinho Friuli e seja pego em Veneza, Trieste ou Udine – Tours com guia em português em Trieste, Pordenone, Aquilea, Palmanova, Gorizia e San Daniele


5. Castelos e mais Castelos

O mais famoso Castelo do Friuli é o Castello di Miramare, pois é uma presença dominante no Golfo de Trieste. Foi construído na década de 1860, foi a residência do Arciduca Ferdinando Massimiliano da Áustria  e sua esposa Carlotta da Bélgica. Mais do que um castelo no sentido estrito, é um exemplo de uma residência principesca do século XIX, o resultado do estilo eclético que teve um grande papel na história da arquitetura daquele período.

Acredita-se que o castelo seja amaldiçoado por causa do mal destino que Massimiliano e Charlotte sofreram. Eles se tornaram o imperador Maximiliano I e a imperatriz Carlota do México em abril de 1864, depois que Napoleão os pressionou durante a intervenção francesa no México.

Apesar da maldição, é seguro fazer uma viagem de um dia a Castello di Miramare e visitar os 20 quartos ainda mobiliados com o mobiliário original de Massimiliano e Charlotte.

Leia o texto O Castello di Miramare, perto de Trieste

Mas na região há outros Castelos imperdíveis como o Castelo Duino perto de Trieste, o Castelo di Villalta, o Castelo di Arcano e o Castelo di Valvasone.

6. O Ritual do “Tajùt di Vino”

O ritual do “Tajut di vino” – ou “rito del Tajut di vino” é uma tradição de happy hour na região de Friuli-Venezia Giulia. Os friulianos diminuem o apetite antes do almoço ou jantar com um copo de vinho tinto ou branco chamado taj di ros ou taj di blanc. É tradicionalmente servido com presunto, queijo e torradas. Ninguém sabe exatamente de onde vem o termo Tajut, mas existem algumas teorias. A primeira é que se refere à quantidade de vinho derramada no copo. A outra é que se refere à mistura de um vinho de baixo teor alcoólico com um vinho mais robusto. Hoje, refere-se simplesmente ao desejo de tomar uma taça de vinho.

O tajùt  encomendado em uma taberna friuliana é um dos costumes mais profundos, tradicionais e característicos de nossa região. De fato, todo friuliano tem o hábito de aguçar o apetite nas horas que precedem o almoço ou o jantar com um copo de vinho tomado com alguns gostos das iguarias friulanas .

Em particular, o  tajùt  é frequentemente acompanhado de canapés ou palitos de pão com presunto crú (presunto cru, estritamente de San Daniele, em fatias finas) e alguns toques de formadi (chips de queijo, geralmente envelhecidos). Almôndegas ou fatias de cotechino acompanhadas de polenta tradicional assada também são frequentes.

7. O Planalto Cársico

O Planalto Cársico (Carso em italiano e Kras em esloveno) se estende pela fronteira sudoeste da Eslovênia e pela fronteira nordeste da Itália. A borda ocidental do planalto de calcário marca a fronteira étnica tradicional entre os dois países. Originalmente, San Martino del Carso era a única vila habitada por pessoas que falavam “friulano”. Após a Segunda Guerra Mundial, os italianos da Ístria que fugiam da Iugoslávia estabeleceram-se em aldeias cársticas na província de Trieste. Hoje, cerca de um quinto da população do Planalto Cársico fala italiano.

8. Histórias de Guerra

Toda Friuli Venezia Giulia está unida por um evento histórico que mudou o destino de todo o mundo: a Primeira Grande Guerra. No planalto cársico, italianos e austro-húngaros deram à luz doze batalhas entre 1915 e 1917, nas quais centenas de milhares de homens perderam a vida ou a liberdade entre as trincheiras cavadas na rocha cársica nua ou entre as encostas dos Alpes Julianos. Menos conhecidas, mas ainda dramáticas, também foram as várias lutas de alta altitude entre os picos dos Alpes Julianos e dos Alpes Carnicos e durante e após o retiro de Caporetto.

Lugares como as montanhas San Michele, Calvario e Sabotino foram logo conhecidos por esses tristes eventos. Gorizia, austro-húngaro antes da guerra, tornou-se um símbolo da opinião pública, especialmente quando se tornou italiana em agosto de 1916. Udine, por outro lado, foi chamada de “a capital da guerra”, sendo a cidade mais próxima da frente.

Hoje, todos esses eventos podem ser redescobertos graças aos museus ao ar livre e aos roteiros da Grande Guerra, passeios emocionantes no meio de paisagens naturais de tirar o fôlego, onde você pode reviver as experiências e a vida dos soldados. Como quase um século atrás, você pode caminhar pelas trincheiras, admirar os edifícios militares e visitar os locais das batalhas. Uma fascinante jornada ao passado que não pára por aí, mas continua com uma visita aos inúmeros monumentos, santuários, ossários e cemitérios de guerra dedicados às vítimas deste conflito gigantesco. Várias cidades também abrigam museus interessantes, geralmente dedicados à Grande Guerra e seu território, e fortes militares nascidos para defender as fronteiras no início do século XX.

Veja o site oficial com o itinerário da Grande Guerra AQUI.

The Cave “Grotta Gigante” – Foto: TurismoFGV

9. Uma gruta Gigante

A Gruta Gigante, ou em italiano Grotta Gigante é uma caverna no lado italiano do planalto cársico. Ele entrou no Guinness Book of World Records em 1995 como a maior caverna turística do mundo e permaneceu lá até 2010.

É uma caverna única estimada em cerca de 10 milhões de anos e se estende por impressionantes 280 metros de comprimento, 65 metros de largura e 107 metros de altura.

A caverna foi explorada pela primeira vez em 1840, enquanto procurava-se uma fonte de água subterrânea do rio Timavo. A caverna foi totalmente mapeada e equipada para visitas guiadas em 1905. Embora tenha sido inaugurada em 1908, o turismo começou em 1957, quando a eletricidade foi instalada.

Embora seja uma caverna turística, você precisa descer 500 degraus até o chão, a cerca de 80 metros de profundidade. Os degraus são divididos em rampas confortáveis, mas essa caverna em particular não é mais adequada para pessoas com dificuldade de caminhar ou subir escadas. Só é possível fazer visitas com os guias especializados da Grotta Gigante.

Campanile di Val Montanaia – Foto: Turismo FGV

10. As Dolomitas e o Grito de Pedra…

Protegidas por um dos maiores parques da região das Dolomitas, as Dolomitas de Friul são diferenciadas por seu caráter selvagem: pouco povoadas, são ricas em águas e rios, cavernas e cachoeiras. O símbolo do parque é a Torre Campanária, ou em italiano, o Campanile di Val Montanaia, chamado de ‘Grido di Pietra’ (grito de pedra) pelos alpinistas, um verdadeiro monumento que só pode ser visitado após uma caminhada esplêndida (e exigente!), Entre as muitas possíveis na área.

O Friuli ainda é muito uma região que comunica com a natureza e tudo pode ser explorado através de trilhas. Existem 13 reservas naturais localizadas apenas na região de Friuli Venezia Giulia e diversas trilhas para caminhadas por todas elas.

Uma das caminhadas mais desafiadoras do dia é o I Sentieri delle Acque (traduzido para o caminho das águas). Foi aqui que os lenhadores transportaram madeira sobre a água. A trilha atravessa um vale profundo cortado pelo riacho Chiarso, tem muitos panoramas espetaculares e até passa pelo famoso abeto branco de 170 anos e 115 pés de altura chamado Palma.

Museo di Storia Naturale di Trieste – dinossauro Antônio

11. e ainda, um dinosauro!

Existem até trilhas que seguem as pegadas de Antonio, o dinossauro esqueleto encontrado perto da vila de San Giovanni in Tuba. Embora você deva visitar o Museu Cívico de História Natural de Trieste para ver o esqueleto de Antonio, a trilha é uma homenagem ao personagem fantástico que ele se tornou nessas montanhas.

Na manhã de 30 de setembro de 1994, um grupo de estudantes que visitaram o Parco Naturale Regionale delle Dolomiti Friulane e descobriram as primeiras pegadas fósseis do “Dinossauro do Parque” por acidente. As pegadas dos dinossauros foram impressas em uma rocha dolomítica que remonta ao período Triássico, há mais de 200 milhões de anos.

que tal um selfie com uma pegada de dinossauro?

Sempre se pensou que os dinossauros habitavam o que hoje é a península italiana, mas essa descoberta confirmou isso sem dúvida e provou que os dinossauros viviam aqui, e não apenas viajavam de vez em quando. Você pode ver as pegadas em Casera Casavento em uma pedra situada no riacho próximo chamado Ciol de Ciasavent, fazendo a curta caminhada até a pedra. A estrada para a cabeça da trilha é uma estrada de montanha ventosa e provavelmente será coberta de neve e intransitável do final do outono ao início da primavera. Siga este mapa e tire uma selfie com uma pegada de dinossauro!

12. Cartas de baralho em Trieste

A empresa italiana de cartas de baralho Modiano foi fundada em Trieste em 1868. As cartas de Modiano são conhecidas por seu estilo, cor e qualidade. Hoje, a empresa produz 10 milhões de baralhos de cartas por ano, 50% são vendidos na Itália e os outros 50% são vendidos no exterior para cassinos e empresas de jogos. No Brasil encontramos baralhos da empresa Modiano, você já jogou com elas?

13. uma Cozinha Regional com influências

As tradições culinárias Friuli Venezia Giulia são influenciadas pelas culturas eslava, européia central e veneziana. A cozinha conta com receitas simples e ingredientes genuínos:  carne, laticínios, salsichas e legumes, usados ​​para criar especialidades saborosas.  Alguns pratos típicos da região são  polenta, ” porcina “, um prato feito com carne de porco cozida e salsichas servidas com chucrute e mostarda, e as várias sopas ricas em legumes e legumes. 

O produto típico mais importante da região é o  presunto de  San Daniele, conhecido e exportado mundialmente, seguido pelo   queijo Montasiopresunto Sauris . Entre o  salame  e carnes de porco  produzidas em Friuli, podemos encontrar vários  salamessoppressasalsichas  e  musèt con la brovada (linguiça de porco cotechino servida com nabos azedados com bagaço).

Duas das sobremesas tradicionais mais populares são o Gubana, um bolo assado, e Strucchi, que são quadrados de massa frita. Ambos são recheados com nozes mistas, passas e chocolate preto. Eles são feitos tradicionalmente para o carnaval e os feriados. Strudels e bolos de frutas também são deliciosos. Os saborosos pratos tradicionais da região são acompanhados por uma rica produção de vinhos tintos e brancos de alta qualidade, como  RefoscoTerranoMalvasiaTocai Rebula. Friuli Venezia Giulia também é conhecida por seus destilados, incluindo grappas tradicionais e com sabor.

frico com polenta

Meu prato preferido é o Frico. É uma torta de queijo e polenta, à qual são frequentemente adicionadas batatas ou cebola, na área de Sauri; também é apresentada com speck. Sempre macio, quente e pegajoso por dentro, às vezes pode apresentar uma crosta crocante; outras vezes, pode ser cozido uniformemente. Por outro lado, o crocante friuliano friuliano é uma segunda versão deste produto típico, que é sempre produzido a partir de queijo temperado, ralado e frito para formar tortas saborosas, perfeitos para um lanche ou um aperitivo. O ingrediente principal é, portanto, queijo, de preferência local, como Montasio. O tempero varia entre 6 e 12 meses e, no geral, é bom que sejam utilizados diferentes tipos de queijo com idades diferentes.

Leia o texto: 10 produtos típicos do Friuli que você deve provar

14. Uma escola de mosaico famosa

Uma escola de mosaicos foi fundada na cidade de Spilimbergo em 1922. A Scuola Mosaicisti del Friuli é uma escola profissional que serve três propósitos. Primeiro, a escola ensina a história, teoria e técnica dos mosaicos. Em segundo lugar, promove a forma de arte em mosaico e participa de exposições em todo o mundo. Em terceiro lugar, cria mosaicos que estão em exibição em todo o mundo, incluindo o iridescente Thunderbolt no Ground Zero, em Nova York.

Grado – Foto MareinItalia

15. O mar e a lagoa

Raramente, no norte da Itália, podem ser encontrados lugares tão profundamente ligados ao mar. Trieste consolida sua ligação com o Adriático nos banhos urbanos incomuns e bonitos, típicos da cidade, e a bordo dos muitos barcos que parecem tocar as casas com suas árvores. Mas a cidade também gosta de desafiar o mar e o faz com competições bizarras de mergulho que animam os verões ou por ocasião da famosa Barcolana, a regata que enche as velas do Golfo de Trieste.

Barcola, Sistiana e Miramare juntos formam uma espécie de ramificação da cidade, que é a praia de Trieste, espremida entre as colinas do Carso e a estrada estadual. Do minúsculo lenço da costa da Ístria a Muggia, o último posto avançado italiano antes da Eslovênia e dos Bálcãs, aos espelhos pantanosos das bocas de Isonzo e Stella, o mar dá uma volta na costa da região, desenhando cenários heterogêneos. As rochas da costa juliana dão lugar às paisagens lagunares de Grado e Marano, alternando com trechos de costa baixa e arenosa. E para os amantes da vida na praia, a escolha varia da areia dourada de Lignano Sabbiadoro, o paraíso dos praticantes de kitesurf e um destino favorito dos turistas, às praias selvagens de Grado.

Lussari – Foto: EventiNews24.

16. Esqui

O ambiente não adulterado de Friuli Venezia Giulia oferece milhares de oportunidades para umas férias inesquecíveis, repletas de atividade física, bem-estar e relaxamento e diversão. Das  Dolomitas  aos  Prealps  e aos  Alpes Carnicos, as montanhas desta região são um lugar perfeito para quem gosta de esportes de inverno, desde  esqui e snowboard a escalada, patinação no gelo  e  trekking. Estâncias de esqui  conhecidas  como TarvisioPiancavalloSauris  e  Sella Nevea ofereça quilômetros de pistas e instalações modernas entre impressionantes maciços rochosos e cenários encantadores. 

visão aérea – Foto: Wikipedia

17. A “cidade estrelada”

Palmanova é única em seu gênero porque sua planta é geometricamente perfeita, a tal ponto que parece quase “não-humana” em sua visão de cima. Tem a forma de uma estrela de nove pontas.

A cidade estrelada, como também é chamada, é cercada por muros e fossos por um comprimento de cerca de 7 quilômetros; seis ruas convergem para o centro, uma praça hexagonal tão perfeita que é fácil ficar impressionado com essa ordem. Mas são também os números que o impressionam, todos baseados no “3” e em seus múltiplos: a estrela tem 9 pontos, assim como os bastiões da fortaleza e os círculos das muralhas. Existem 3 portas de acesso, 18 estradas radiais, 6 estradas principais.

O projeto desta cidade foi confiado inicialmente a Leonardo Da Vinci, mas o grande artista se recusou a realizá-lo para outros compromissos. No entanto, a partir de alguns documentos históricos, parece que ele ainda fez uma visita ao local e deu alguns conselhos valiosos.

Leia o texto – Palmanova, a cidade em forma de estrela e cheia de mistérios

 

Mais dicas

  • Procura experiências únicas na Itália? Veja nosso guia
  • Procura hotéis na Itália? Veja a lista de hotéis testados por nós ou veja preços no booking
  • Faça um passeio particular com Guias em Português – veja aqui – e aproveite mais a viagem.
  • Procura Transporte na Itália? temos serviço de Van com Motorista e barcos.
  • Faça uma sessão fotográfica na Itália e fique uma recordação única da sua viagem. Veja aqui.
  • Aprenda a cozinhar com um italiano, uma experiência imperdível! Aula de culinária particular na Itália, diversão garantida. Roma, Toscana e Piemonte

Saiba mais

 

 

Deixe uma resposta

Style Switcher

Skin:

Backgrounds:

                       

You can also upload your own background from the Admin Panel.

Highlight Color:

             

Best viewed within the shop.

You can also create your own highlight color from the Admin Panel.