By

Quais são os produtos típicos da Friuli ? É uma região a ser descoberta, ou melhor, aprofundada. Graças aos inúmeros microclimas, uma interessante biodiversidade de produtos que foi preservada ao longo do tempo. No Friuli, qualquer conversa sobre comida, só pode começar com um copo de vinho ou cerveja. O importante é beber, mas também comer, é claro. Então, aqui estão os produtos desta terra fronteiriça que você não pode deixar de provar, ou mesmo levar para casa com você.

1. Vinhos e uvas, quanta variedade

Na região há um total de mais de 1500 vinícolas. Poucas regiões possuem uma variedade de uvas nativas como Friuli, entre as quais: Ribolla Gialla  Verduzzo friulano, Picolit, Malvasia Istriana, Vitovska, Tocai Friulano, hoje apenas branco Friulano; ou tintos como Pignolo, Refosco dal Peduncolo Rosso, Schioppettino , Tazzelenghe e Terrano.

Então se você viaja por essa região não deve deixar de provar os vinhos realizados com essas uvas e descobrir os seus sabores!

Leia Os vinhos do Friuli

Foto: https://birragjulia.com/le-birre/

2. Cerveja Friulana está em ascensão 

Além do vinho, todas as pequenas cervejarias artesanais de Friuli começam a merecer atenção , em particular a que foi a primeira cervejaria agrícola da região: Gjulia, em homenagem à própria região. A cervejaria pertence aos irmãos Zorzettig, que após anos de experiência no mundo do vinho decidiram diversificar seus negócios com uma dúzia de cervejas diferentes. Em particular, para a adição de mosto de uvas Picolit: uma cerveja clara especial de alta fermentação, da qual se produz apenas 5000 garrafas por ano, também porque, infelizmente, não há tanto Picolit.

3. Presunto cru 

É fácil dizer cru! De fato, em Friuli, a questão do presunto é muito mais complexa: além do San Daniele, existem muitos outros tipos de presunto cru, como os levemente defumados como Sauris e Cormons. Será o ar frio dos Alpes Julianos ou o ar quente do Adriático que, com a mediação do rio Tagliamento, cria uma condição verdadeiramente ideal para o envelhecimento de um número infinito de presuntos.

Leia o texto: Presunto San Daniele: o maravilhoso “prosciutto” do Friuli

Di Holapaco77 – Opera propria, CC BY-SA 4.0,

4. Pitina e o artesanato antigo

Pitina é uma espécie de almôndega defumada de origem camponesa. Foi criada para preservar as carnes de veados, suínos, cabras, ovelhas ou camurças durante o inverno, nos vales ao norte de Pordenone.

Se um animal fosse morto, uma ovelha ou cabra estivesse ferida ou doente (preciosa demais para ser abatida), era necessário encontrar uma maneira de não desperdiçar nada. Pitina e suas variações de peta e petuccia nasceram dessas necessidades de preservação de carne, que diferiam da pitina pelas diferentes ervas aromáticas adicionadas à massa e, no caso de peta, pelas dimensões maiores. O animal é desossado e a carne picada finamente na pestadora (um toco de madeira escavado). Sal, alho e pimenta preta picada são adicionados à carne.
Com a carne picada, pequenas almôndegas são formadas, passadas na farinha de milho e defumadas na prateleira do fogher. Com o tempo, a pitina seca e, para consumi-la, é necessário amolecê-la no caldo de polenta.

Hoje, restam apenas dois “mestres” que ainda fazem o trabalho à mão, como dita a tradição : Filippo Bier e Alessandro Antonini.  

5. Queijo Montasio – melhor ainda no Frico!

O queijo de leite de vaca, com Denominação de Origem Protegida (DOP), leva o nome do planalto onde é produzido desde 1200. Produzido em duas regiões, Friuli Venezia Giulia e Veneto. Caracterizado por quatro tipos: Fresco, Semi-temperado, Temperado, Stravecchio. Distinguido como “produto da montanha”, possui intensidades aromáticas médias-altas, dependendo do período de tempero.

Ele deve passar por rigorosos procedimentos de produção indicados pelo Consórcio, com sede em Codroipo, onde você pode encontrá-lo como o principal ingrediente de um dos pratos mais característicos da culinária friuliana, o frico (digo. vocês que é uma maravilha!), com polenta e formadi, ou com aspargos e prosciutto San Daniele.

Foto: facebook Formadi Frant

6. Formadi Frant

Compacto e cremoso, Formadi Frant é um queijo de montanha que demonstra os valores de um conhecimento e tradição antigos, transmitidos por gerações. Realizado em Carnia, em uma das áreas montanhosas do alto Friuli, na província de Udine. Um território ainda inalterado, que mantém sua beleza natural de grandes vales verdejantes e picos alpinos cobertos de neve, na fronteira com a Áustria. Aqui, a produção de queijos e salsichas é um ponto de excelência na gastronomia italiana por sua fragrância e tempero imbuído no território.

O queijo Frant ou chamado de Formadi Frant é um produto lácteo, como o Montasio mais comum, de grande valor em Friuli-Venezia Giulia. Em primeiro lugar, é uma Presidio do Slow Food apoiada por Cirmont, a Comunidade da Montanha de Carnia e Banca di Cividale para torná-la conhecida e apoiada na defesa de sua produção muito particular e é um queijo certificado pela PAT, a sigla para classificar produtos agroalimentares tradicionais. É uma variedade de queijos que não podem ser comprados facilmente em supermercados e é puramente manual. Muitas vezes, este produto pode ser encontrado em pequenas lojas de alimentos ou diretamente na área de produção.

7. Rábano  ou Kren no café da manhã

O molho de rábano, feito a partir de rábano ralado, faz parte da tradição gastronômica judaica. Consumido na Alemanha, Áustria, Hungria e também em outras áreas da Europa Oriental, por razões óbvias de proximidade territorial, na Itália se espalhou principalmente nas regiões do Triveneto, como Friuli-Venezia Giulia. Você pode encontrar  todos os bares de Trieste em um sanduíche com crosta ainda quente e mostarda cozida, inclusive no café da manhã. Um verdadeiro símbolo da cidade!

8. Truta defumada de San Daniele 

A truta de San Daniele, também conhecida como “la Regina di San Daniele“, destaca-se por sua autenticidade. Criada de maneira natural nas águas puras do Tagliamento e fumando com uma mistura de bosques e ervas aromáticas, a “rainha” fez o seu caminho com barbatanas, libertando-se do complexo de inferioridade de ser “apenas” uma pobre truta fluvial. “O grande rival era precisamente o primo rico”, diz Mauro Pighin, proprietário da Friultrota, empresa que produz a truta há 30 anos usando métodos naturais “, foi preciso muita paciência e tenacidade para convencer as pessoas a comprar o truta ao invés de salmão ».

Hoje, a Friultrota é uma empresa que produz uma dúzia de excelentes produtos de peixe, que também incluem curiosidades como o “caviar” Friuliano (ovos de truta), bochechas de truta em óleo (uma loucura, um pote de 90 gramas são feitos com 50 kg de peixe) e salame di venerdi (salame de peixe), e que são distribuídos em lojas especializadas em gastronomia e restaurantes de qualidade.

9. Cuincir: a antiga ricota do Friuli 

Ricota friuliana

foto: ONAF

É um dos queijos mais antigos de malga do Friuli, uma ricota única e extraordinária, misturada com erva-doce e deixada envelhecer de 45-60 dias, o que lhe confere um sabor forte e levemente picante. Realizado na provincia di Udine, no território de Canal del Ferro e Val Canale.

10. Brovada e Muset: prato tradicional de inverno

Brovade e muset é um prato que você encontra nos restaurantes Friulianos.

Há alguns anos, a Brovada Friuliana é um produto protegido pela marca DOP: é a “bruade”, no dialeto friuliano, o nabo branco com uma ponta roxa. E no inverno é comido com “muset”, uma linguiça semelhante ao cotechino.

O nabo branco com uma ponta roxa que, através de um processo de fermentação antigo e tradicional no bagaço, são um tesouro da comida e do vinho Friuli. Eis como nasce a brovada: os nabos, depois de colhidos, são privados das folhas externas e colocados em cubas. Eles são cobertos com bagaço de uvas pretas, um pouco de sal, água misturada com vinho ou vinagre. Eles são deixados para fermentar por 40 a 60 dias e assumem a característica cor rosa. O sabor é menos picante que o nabo fresco e o aroma é naturalmente de bagaço. Depois de trabalhada, a provada é lavada, ralada e embalada em sacos. A brovada nasceu da antiga necessidade de manter os nabos para o inverno. O prato típico, inevitável durante o período de Natal nas mesas de Friulanas, é o Brovada e muset (ou musetto, que é uma lingüiça típica, semelhante ao cotechino). É utilizado para acompanhar carnes, mas também como ingrediente para sopas ou pratos de vegetais únicos.

Uma verdadeira experiência antropológica, a ser experimentada também na versão de verão com omeletes de ervas, salame e queijos.

Mais dicas

  • Procura experiências únicas na Itália? Veja nosso guia
  • Procura hotéis na Itália? Veja a lista de hotéis testados por nós ou veja preços no booking
  • Faça um passeio particular com Guias em Português – veja aqui – e aproveite mais a viagem.
  • Procura Transporte na Itália? temos serviço de Van com Motorista e barcos.
  • Faça uma sessão fotográfica na Itália e fique uma recordação única da sua viagem. Veja aqui.
  • Aprenda a cozinhar com um italiano, uma experiência imperdível! Aula de culinária particular na Itália, diversão garantida. Roma, Toscana e Piemonte

Saiba mais

 

 

Deixe uma resposta

Style Switcher

Skin:

Backgrounds:

                       

You can also upload your own background from the Admin Panel.

Highlight Color:

             

Best viewed within the shop.

You can also create your own highlight color from the Admin Panel.